segunda-feira, 4 de abril de 2011

ausência

eu não estou mais aqui.
aqui, apenas as palavras residem
isentas de minha essência
ou existência
por conta própria
elas dizem
livres de minhas significâncias
elas flutuam
nos vazios dos sentidos
expostas para as ânsias
da sua interpretação

aqui, apenas o dizer
de um ausente
que repete
somente
o que você quiser entender.

4 comentários:

  1. quanta substância cabe na ausência.

    ResponderExcluir
  2. Genial!!

    Tá bom, tá bom, não tá mais aqui quem falou...

    Bejo!

    ResponderExcluir
  3. de fato é isso mesmo, perfeito poeta metalinguístico.

    ResponderExcluir